Evento No Rastro do Ferreirinha no Max!

No Rastro do Ferreirinha é uma viagem no tempo e na história da cultura caipira.

“Eu tinha um companheiro por nome de Ferreirinha, nois lidava com boiada desde nois dois
rapaizinho (…)”.

Esse talvez seja o verso mais conhecido que a música caipira já produziu. Escrita por Adauto
Ezequiel, nosso querido Carreirinho, a moda Ferreirinha é considerada o maior fenômeno do
gênero por, além de ser gravada por inúmeras duplas e cantores, também ter gerado pelo menos
30 músicas alusivas, ou respostas. Por ser o cenário do fato cantado, a cidade de Pardinho se
tornou conhecida em todo o Brasil. Mais precisamente, a história retrata o ocorrido nos Campos
do Espraiadinho, região que recebera esse nome por conta do rio Espraiadinho, que tem aspecto
de ˜prainhas” e fica localizado a 28km da cidade, compreendendo os limites de municípios entre
Pardinho, Bofete, Guareí e Itatinga. A fama alcançada por Carreirinho, que aqui viveu desde sua
infância, foi tão grande que Pardinho está para a musica raiz assim como Ouro Fino está para o
Menino da Porteira, O Rei do Gado para Ribeirão Preto e Luiz Gonzaga para o sertão.

E é nesse contexto que apresentamos o evento “No Rastro do Ferreirinha˜, que busca rememorar
esse clássico da nossa cultura e trazê-lo para os dias de hoje. Começando no sábado, as
comitivas se encontram no Barreirinho, na divisa entre Pardinho e Bofete, onde se inicia o
chamado “Campo do Espraiadinho˜, e partem rumo à venda do Tura, onde ocorre a Pousada dos
Tropeiros, com muita prosa, moda de viola e comida caipira. No comando, o historiador de
tropeirismo e presidente do Museu do Tropeiro, o Sr. Isael Cruz.

No domingo, por volta das 6h, depois do café, os tropeiros preparam as montarias e partem serra
acima, rumo à cidade de Pardinho, refazendo parte do caminho que retrata a música. A
cavalgada de aproximadamente 12 quilômetros é puxada pela violeira e berranteira Adriana
Farias, que entoará o som de berrante pelo trajeto nas montanhas da Fazenda Santo Antônio,
Bom jardim e São João; na Fazenda dos Bambus, haverá um posto de descanso e água para a
tropa, que segue pela estrada do Limoeiro até o centro da cidade de Pardinho, em frente a Igreja
Matriz, onde as comitivas receberão a benção do Padre e seguirão para a Praça do Centro Max
Feffer, sendo recepcionados com um delicioso Almoço Caipira e mais moda de viola com a dupla
representante da Casa dos Caipiras, Augusto Cesar e Gustavo, e os renomados índios violeiros,
Cacique e Pajé.

Estarão presentes grandes nomes da música raiz como a violeira e apresentadora Adriana Farias,
Flor Morena e João Platino, Jucimara Lins, Nando e Adriano, Karoline Violeira, Leila Moreira e
Cantadores de Pardinho. O compositor Zé Procópio é o Patrono do evento, que conta com a
curadoria da Casa dos Caipiras.


Homenagem em 2022:
A Casa dos Caipiras, no ano de 2021, homenageou o centenário do “Carreirinho”, autor da moda
que dá nome ao evento, Neste ano de 2022, será comemorado o centenário de Índio Vago, já
falecido e que, apesar de ter nascido na cidade Águas de Santa Bárbara, viveu parte de sua vida
em Pardinho, onde ainda existem amigos dessa convivência. Seu filho, Ramon, estará presente
nos dois dias com a família. Índio Vago, além de domador, toureiro de circo e tropeiro, foi um
compositor que deixou sua marca no cancioneiro popular brasileiro falando do tropeirismo; quem
não conhece as músicas “Magoa de Boiadeiro˜ e ˜Velho Pouso de Boiada”? Venha participar
desse evento mágico que retrata uma das passagens mais icônicas do cancioneiro caipira
brasileiro.


Realização Governo do Estado de São Paulo, por meio da Secretaria de Cultura e Economia
Criativa e o ProAC. Copatrocínio Laticínios Gege. Produção Instituto Jatobás e Centro Max Feffer
com apoio da Prefeitura de Pardinho. Curadoria Casa dos Caipira

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Captcha Plus loading...

X